Archive for janeiro, 2013

31 de janeiro de 2013

A MAIOR TRAGÉDIA DE NOSSAS VIDAS – Por Fabrício Carpinejar

Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça. 
A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta.

Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.

A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.

As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.

Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.

Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.

Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.

Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.

Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.

Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.

Morri sufocado de excesso de morte; como acordar de novo?

O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista.

A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.

Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.

Mais de duzentos e quarenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.

Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.

As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.

Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.

As palavras perderam o sentido.

 

 * Poema escrito em homenagem às vítimas do incêndio em Santa Maria (RS)

 Fabrício Carpinejar é escritor, jornalista e professor universitário, autor de vinte e um livros e pai de dois filhos.

 https://www.facebook.com/carpinejar

 http://carpinejar.blogspot.com.br

 
7 de janeiro de 2013

Alimentos: estamos informados sobre o que é realmente importante?

(por: W. Bastos)

Nunca vejo televisão. As pessoas me dizem que, procedendo assim, ficarei desinformado sobre coisas importantes. Prefiro não argumentar muito e simplesmente sigo na minha opção de boicotar a TV.

Mas o fato é que todos esses “vedores de TV” não me parecem tão informados assim. Quando estou no supermercado, por exemplo, sempre puxo papo com alguém que esteja perto dos vidros de óleo de soja. Escolho uma embalagem de óleo e mostro para a pessoa, perguntando se ela sabe o que significa um pequeno triângulo amarelo estampado no rótulo. Até hoje ninguém soube me responder o que sinaliza tal selo amarelo com a letra T maiúscula.

E você, caro leitor, sabe o que significa esse sinal?

transgenicos

Significa que o alimento contém material transgênico. O fabricante não quer que você saiba disso, nem as “informativas” emissoras de TV, patrocinadas pelos monstros do agronegócio.

Depois de muita luta, movimentos ecológicos conseguiram pressionar o governo e, hoje, os empresários são obrigados a imprimir nos rótulos o referido símbolo padrão. Este, por imposição legal, tem de ser usado nas embalagens de produtos transgênicos destinados ao consumo humano e animal.

Foi árdua a luta para conquistar a obrigatoriedade do selo. Lembro que ativistas, munidos de adesivos, se organizavam e entravam em supermercados grudando o triângulo nos produtos transgênicos. Enfrentavam seguranças do mercado e até a polícia. “Não estamos destruindo nada, apenas informando a população”, diziam enquanto continuavam a colar o adesivo nos produtos transgênicos. Eram levados para a delegacia, mas sempre se voltava para a mesma louvável ação direta em favor do selo.

Hoje o selo é obrigatório. Mas pouquíssimos sabem o que ele significa. Que tal você reproduzir este texto e informar outras pessoas? Ou então escreva seu próprio texto, que acha? Você pode até incluir informações sobre o que são transgênicos. Vá lá. Pesquise. Você mesmo pode fazer, não precisa de mim para isso. Só não acho que seria boa ideia buscar informações sobre transgênicos na televisão… Bem, você que sabe.

Fonte: http://www.greenpeace.org.br

3 de janeiro de 2013

RECEITA DE ANO NOVO – Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.